RH

Trabalho temporário: vale a pena investir em minha empresa?

trabalho temporário

A opção por trabalho temporário não é consenso entre dirigentes da maioria das organizações. Afinal, estruturar as relações de trabalho dessa maneira exige justificar essa escolha de forma consciente e contextualizada.

Não se pode perder de vista as particularidades de cada empresa, replicando de forma deliberada experiências positivas de outras organizações. Isso quer dizer que, em cada caso, haverá fatores que advogam a favor e contra um quadro de pessoal composto por trabalhadores temporários.

Conheça, ao longo deste post, os principais pontos positivos e negativos relacionados a trabalho temporário:

O trabalho temporário e as demandas sazonais

O trabalho temporário permite ao empregador lidar com as demandas sazonais de trabalho na sua empresa.

No comércio, por exemplo, temos as datas comemorativas e as festas de fim de ano como períodos de maior fluxo de vendas. Isso demanda um aumento no quadro de funcionários por alguns meses ou semanas.

Essa flexibilidade muito tem a contribuir para o crescimento da empresa, uma vez que os custos com pessoal não serão mantidos naqueles meses do ano de menor rendimento.

A condição de manter um número de colaboradores condizente com a demanda de trabalho impacta positivamente as contas da empresa e viabiliza importantes investimentos.

O trabalho temporário e as efetivações

O trabalho temporário, além de dar conta de demandas pontuais de trabalho, pode servir como um período de experiência um pouco mais estendido para o colaborador. Trata-se de uma chance importante para o colaborador apresentar competências e habilidades interessantes para a organização.

Nas situações em que há interesse mútuo entre as partes pela efetivação, não existe nenhum custo adicional a ser pago pelo empresário. Para além disso, existem mais chances de haver resultados positivos para empresa, uma vez que o desempenho do colaborador foi posto à prova no período de contrato temporário.

O trabalho temporário e a alta rotatividade de pessoal

O principal ponto negativo ligado a um vínculo empregatício temporário reside na rotatividade de colaboradores. Isso se deve à preferência do trabalhador, de maneira geral, por contratos permanentes, visando maior estabilidade.

Uma situação de constante rotatividade em uma equipe prejudica fortemente o bom andamento dos processos de trabalho. Em uma situação como essa, são necessárias constantes redefinições de atribuições entre as equipes e um custo de tempo significativo para capacitar novos contratados.

O trabalho temporário e o baixo engajamento

Outro impacto negativo trazido pelos contratos temporários é o baixo engajamento das equipes de trabalho frente às atividades a serem desenvolvidas.

Esse é o pior cenário que pode ser vislumbrado por qualquer gerente. Colaboradores desestimulados, isto é, que não enxergam possibilidade de crescimento na empresa, não entregam tudo aquilo que podem ao trabalho e comprometem os resultados almejados.

A opção por contratar trabalhadores de forma temporária requer um estudo apurado da situação de cada empresa. Sendo essa a escolha, cabe ao empregador ter atenção especial com questões que envolvem gestão de pessoas, visando sempre atenuar eventuais impactos negativos trazidos pelo trabalho temporário.

Gostou deste post? Compartilhe as suas opiniões sobre esse tema no campo de comentários.

Sobre o autor

Marcelo Braga

Marcelo Braga

Fundador e Diretor Executivo da REACHR. Headhunter desde 2000 (Sócio Fundador da SEARCH, Ex-Sócio Sênior da FESA e Ex-Consultor Michael Page). Anteriormente na indústria automotiva (General Motors e Plascar). Engenheiro Químico – Unicamp e Pós-graduado em Administração de Empresa pela FGV.

Deixar comentário.

Navegação