Estagiários Profissionais de Vendas

Carreira e esporte: qual a relação entre eles?

Estratégia, persistência, liderança, trabalho em equipe — talvez você não tenha percebido, mas as qualidades de profissionais que se destacam no mercado são as mesmas dos atletas que chegam ao pódio das grandes competições.

Isso mostra que carreira e esporte não são mundos desconexos, e que é possível aprender muitas lições para melhorar a performance de gestores e organizações. 

Quer saber que lições são essas e descobrir quais são as qualidades dos atletas que, quando aplicadas ao mundo corporativo, produzem excelentes resultados? Então não perca esse post!

6 habilidades desenvolvidas no esporte e úteis para a carreira

1. Conhecimento sobre os concorrentes

Se você acompanha o mundo dos esportes, deve saber que a preparação para uma competição envolve ações internas e externas. A primeira diz respeito à preparação dos próprios atletas, enquanto a segunda é voltada para o estudo da concorrência.

Tanto em jogos coletivos quanto em esportes individuais, os atletas e suas equipes fazem do estudo do adversário um elemento fundamental para traçar uma estratégia para alcançar a vitória. 

Assim como no esporte, conhecer os concorrentes é essencial para o sucesso. Essa etapa permite identificar os pontos fracos dos competidores para oferecer ao cliente o que as outras empresas ainda não conseguem (ou não se dispõem) a proporcionar.

Portanto, não deixe de aplicar este princípio à sua carreira. Faça da movimentação do “adversário” um de seus principais temas de estudo. Visualize maneiras de transformar os pontos fracos dele em oportunidades que a sua empresa conquiste o mercado.

2. Aumento da autoeficiência

Do mesmo jeito que os seus concorrentes possuem pontos fracos, eles certamente têm qualidades inquestionáveis. Esse é um aspecto sobre o qual você não tem qualquer controle — a única saída é melhorar a sua eficiência para superá-los.

É exatamente como em muitas modalidades esportivas. Em grande parte delas, o atleta não tem qualquer controle sobre o time adversário. O vôlei é um exemplo claro: um time não entra no espaço do outro, sua única alternativa é ser ainda mais eficiente. 

O mesmo acontece no mundo dos negócios. Efetivamente, não há nada que você possa fazer em relação à performance dos seus concorrentes. Eles são um time que tem um território delimitado, no qual sua empresa não tem a chance de interferir.

Sua única alternativa é tornar sua equipe — e o seu próprio desempenho — melhores a cada dia. Oferecer diferenciais, ir além do que os seus concorrentes fazem normalmente e garantir um atendimento personalizado são algumas estratégias válidas para esse fim.

3. Senso de cooperação

Mesmo nos esportes individuais, não podemos negar que o sucesso depende de cooperação. Seja com a equipe técnica ou com o próprio time, um atleta não vence sozinho.

Nos esportes coletivos isso é ainda mais forte: a atuação insatisfatória de um único participante pode levar um time inteiro à derrota. Por isso, é preciso prestar atenção ao desenvolvimento de todos os membros, além de muita cooperação e espírito de equipe.

Eles aprendem desde cedo que, embora a proatividade seja extremamente importante para uma carreira de sucesso, a equipe ganha muito mais quando pratica a sinergia — a integração é tão profunda que o resultado do todo é maior que a mera soma das partes.

4. Quebra temporária da hierarquia

Se os integrantes do grupo têm a oportunidade de participar juntos de uma partida esportiva, algo muito interessante pode acontecer: a quebra da hierarquia, mesmo que por alguns momentos. 

Quando estão jogando, líderes e liderados são completamente iguais, sem distinção. Além de aliviar tensões que surgem no ambiente de trabalho, esse tipo de oportunidade é propício para a revelação de habilidades como a liderança ou pensamento estratégico.

5. Resiliência para superar desafios 

Nem só de vitórias é feito o esporte — e um atleta aprende a ser derrotado desde cedo. Por “aprender a perder” não estamos falando apenas de aceitar o fato de que o concorrente foi melhor.

O atleta se levanta após essas situações, afasta qualquer pensamento de desistência e avalia os pontos fracos que o levaram à derrota. Depois disso, sua meta diária é melhorar o próprio desempenho e se preparar para o próximo desafio.

Essa atitude é essencial também no mundo dos negócios: a empresa que perdeu uma venda para o concorrente não pode se abater. Ela precisa analisar em que aspectos o seu negócio precisa melhorar para competir em condições de igualdade e arregaçar as mangas até ter chances reais de vencer seus rivais.

6. Pensamento estratégico e disciplina

Os atletas não chegam a um pódio olímpico por acaso, e nem de repente. Esse é um projeto que leva anos para ser consumado e exige que cada passo seja dado de acordo com o objetivo final. 

É preciso antecipar as etapas seguintes, se preparar para cada uma delas com afinco e ter disciplina suficiente não só para trabalhar arduamente, mas para corrigir as ações e enfrentar os desafios.

A emoção e a adrenalina das competições é esporádica. O dia a dia do atleta, na verdade, é repleto de treinos repetitivos e, muitas vezes, exaustivos. O mesmo acontece na carreira de um profissional. 

Ele precisa visualizar onde quer chegar — qual é sua visão do topo. A partir daí, traça um plano de carreira detalhado, com cada passo que precisa dar para atingi-lo a médio e longo prazo. 

O resto é esforço e disciplina: cursos, especializações, participações em congressos e seminários, além da aprendizagem de novos idiomas. Mas não basta aprender: é preciso praticar.

Por isso, cada projeto é uma oportunidade de aplicação de conhecimentos e aperfeiçoamento e não pode existir comodismo com baixa performance.

São essas atitudes que levam ao sucesso progressivo na carreira: uma promoção hoje,  remuneração cada vez mais satisfatória e principalmente um aumento na responsabilidade. 

Essas são apenas algumas das qualidades que carreira e esporte têm em comum, contribuindo para uma performance excelente e, consequentemente, para uma ascensão pessoal e profissional.

E aí, gostou do post? Descobriu quais são os pontos de convergência entre carreira e esporte e como as competências dos atletas podem ajudá-lo a fazer sucesso? Quer descobrir como outras empresas estão usando jogos para descobrir o melhor candidato para uma vaga?   

Então não perca tempo: continue em nosso blog e veja como é possível conquistar uma vaga jogando. Confira!  

Sobre o autor

Marcelo Braga

Marcelo Braga

Fundador e Diretor Executivo da REACHR. Headhunter desde 2000 (Sócio Fundador da SEARCH, Ex-Sócio Sênior da FESA e Ex-Consultor Michael Page). Anteriormente na indústria automotiva (General Motors e Plascar). Engenheiro Químico – Unicamp e Pós-graduado em Administração de Empresa pela FGV.

Deixar comentário.

error: Content is protected !!
Navegação