RH

5 motivos para implantar a meritocracia corporativa na sua empresa agora

Com tanta instabilidade no cenário da economia no Brasil, um dos grandes desafios das empresas está em acertar com mais precisão no preparo, treinamento e aptidões de seus colaboradores. Contratações que se mostram equivocadas geram prejuízos para a companhia e para a credibilidade do recrutador: ninguém sai ganhando. Por isso você precisa prestar atenção na meritocracia corporativa.

Por que? Nos últimos tempos o Brasil tem caído no índice de competitividade mundial e chegou à sua pior posição no ranking: entre 160 países, nosso país atingiu o 81º lugar em 2016, caindo 33 posições em apenas 4 anos na avaliação do Fórum Econômico Mundial.

Com problemas de estrutura para melhorar a economia, esse desempenho abaixo do esperado em competitividade acende o alerta nas instituições, que precisam ser mais assertivas nas contratações para garantir uma melhor produtividade. Mas como melhorar a gestão em um momento econômico tão negativo?

Meritocracia corporativa como modelo de gestão

Você já teve dificuldades em selecionar e contratar os melhores candidatos, garantir um excelente treinamento, acompanhar o desempenho e realizar suas demais tarefas, tudo quase ao mesmo tempo? Sabemos o quanto isso é um grande desafio por isso esse artigo destaca a meritocracia como sistema de gestão.

O objetivo da meritocracia nas empresas é desenvolver a estrutura da organização ao reconhecer o comprometimento dos funcionários e a entrega concreta dos resultados. Todas as outras atividades do RH fluem com mais tranquilidade quando o modelo de gestão segue a meritocracia. Ela constrói a estrutura e, consequentemente, tem um efeito no crescimento da empresa, aumentando sua competitividade.

O cenário negativo na economia não é o único motivo para as empresas implementarem a Meritocracia Corporativa. Confira a nossa lista feita a partir de informações do Instituto Brasileiro de Meritocracia (IBMérito):

  1. A competitividade

Já falamos sobre os dias ruins que nossa economia tem enfrentado no âmbito mundial, mas você sabe dizer o que causa um baixo desempenho tão acentuado?  O país tem problemas de infraestrutura que dificultam as operações e afastam investimentos, além do alto custo da mão de obra.

A maioria dos profissionais não têm qualificação adequada e, entre a minoria que teve acesso à educação superior, existe ainda a formação de qualidade duvidosa. Por isso os processos de contratações e o trabalho do RH podem ser fundamentais na estratégia das empresas, que carecem das melhores escolhas de profissionais nos seus times.

A meritocracia corporativa melhora a competitividade da empresa porque reestrutura seu modelo de gestão.

  1. Aumento da produtividade

A baixa competitividade tem efeito direto no volume de produção dos profissionais e das empresas. Ela diminui o interesse dos investidores, afasta o otimismo e interfere na oferta, atingindo em cheio a produtividade. Isso pode ser medido em qualquer âmbito, seja no cenário internacional, dentro do próprio país e até na empresa, em comparativos de lojas, filiais, escritórios etc.

Você precisa adotar a meritocracia corporativa para garantir o bom desempenho da produtividade. Vale lembrar que o merecimento é atingido por meio da educação, inteligência e esforço, que são a base da meritocracia corporativa e da produtividade. Assim, vai ser impossível que a diretoria ignore a participação do RH como ponto estratégico da organização.

  1. Os fatores motivacionais

Confiança e plano de carreira são os principais fatores da motivação dos profissionais. A meritocracia é essencial para garantir a remuneração justa e manter a confiança dos profissionais, assim como torna transparente o plano de carreira.

A nuvem carregada que paira sobre o desenvolvimento econômico no Brasil não é o melhor cenário imaginável, mas nem tudo é pessimismo. Uma casa bagunçada é uma excelente oportunidade para mostrar a capacidade de organização. E o RH tem tudo a ver com isso.

O PIB do Brasil está em 0,43% desde o início de 2017 (para se ter uma ideia o índice chegou a 3,8% em 2015). A inflação registra 4,5% e o desemprego chegou aos 14 milhões neste ano. Os números são impressionantes, mas muitos especialistas do mercado econômico acreditam que quando se está no chão, o único caminho é levantar.

Isso mostra como os resultados negativos também podem ser uma inspiração para os profissionais se tornarem competitivos entre si e apresentarem melhores resultados, beneficiando, como já apontamos, a produtividade. A mesma se aplica aos países: as empresas não querem que o índice de competitividade do Brasil continue caindo.

  1. Crescimento e reconhecimento

Qual gerente de RH não quer ser responsável por promover o melhor ambiente de trabalho possível na empresa? A meritocracia tende a ser transparente e não deixar questionamentos sobre quem merece ou não ser reconhecido e isso motiva os profissionais.

A falta de reconhecimento é o principal motivo de reclamação dos funcionários. É importante que o salário e benefícios estejam de acordo com o praticado no mercado e a criatividade também pode ajudar o RH a criar métodos para destacar os melhores colaboradores. Privilegiar o recrutamento interno para promoções ou mudanças de cargos também cabem perfeitamente na gestão de meritocracia corporativa.   

  1. Conquista de resultados na prática

Para que o RH participe de fato da estratégia da empresa é preciso que suas ações sejam focadas nos resultados. A meritocracia permite que o departamento colabore com as metas ao criar o diferencial junto à concorrência, faz com que os colaboradores compreendam o comportamento dos clientes e busquem as melhores soluções, todos ingredientes necessários para o crescimento individual, coletivo e da empresa.

Automaticamente o profissional é valorizado, busca se qualificar mais, produz mais e se forma um ciclo positivo. O RH que consegue acompanhar, desenvolver esses talentos e garantir seu crescimento também é reconhecido.

A cultura de resultados está na raiz da meritocracia e nenhum diretor de RH vai ignorar isso. Quando o sistema de gestão visa compreender o posicionamento estratégico da empresa e atuar para que os objetivos sejam alcançados, o crescimento da empresa ganha um grande aliado. Além de proporcionar melhorias contínuas, a meritocracia expande o negócio e reduz custos.

Por que não implementar a meritocracia corporativa?

Não existe razão para ignorar esse sistema de gestão. Colaboradores competitivos tornam a empresa competitiva. A meritocracia corporativa traz resultados a curto prazo, como um melhor ambiente de trabalho, profissionais mais qualificados e colaborativos, transparência no reconhecimento, mais motivação e melhores resultados. Então te deixamos com a reflexão: por que não tornar o RH mais estratégico, reconhecido e valorizado?

Sua empresa aplica a meritocracia? Se sim, conte suas experiências nos comentários abaixo.

Se não, o que te impede de começar? Comente abaixo.

Sobre o autor

Marcelo Braga

Marcelo Braga

Fundador e Diretor Executivo da REACHR. Headhunter desde 2000 (Sócio Fundador da SEARCH, Ex-Sócio Sênior da FESA e Ex-Consultor Michael Page). Anteriormente na indústria automotiva (General Motors e Plascar). Engenheiro Químico – Unicamp e Pós-graduado em Administração de Empresa pela FGV.

Deixar comentário.

Navegação